Dérbi Noroestino: Quem é o dono da Região Noroeste de São Paulo?



Historial dos Times 

- A História do Dérbi Noroestino

América de Rio Preto, Rio Preto, Mirassol, Olímpia, Novorizontino, Catanduvense, Penapolense, Andradina, Tanabi, Votuporanguense, Fernandópolis entre outros. A Região Noroeste está repleta de grandes e tradicionais times que fizeram história no futebol paulista. Agora se você perguntar pra qualquer um qual é o maior clássico e a maior rivalidade da região, não é nenhum exagero você dizer que o maior clássico e maior rivalidade da região é o Dérbi Noroestino entre o Bandeirante de Birigui e a Associação Esportiva Araçatuba (AEA). 

Catorze quilômetros em linha reta separam Birigui de Araçatuba. As duas cidades vivem rivalidade e respiram futebol com dois times tradicionalíssimos que já estiveram até na elite do futebol paulista. E quando tem clássico então? Ambas Birigui e Araçatuba param pra ver Bandeirante e Araçatuba se degladiarem ou no Pedrão ou no Adhemarzão. 

Mas nem sempre foi assim. Porquê o futebol de Araçatuba até a criação do AEA nunca emplacava um time que ficasse ao menos três décadas em existência enquanto o Bandeirante é o único time da cidade de Birigui e segue ininterrupto. Segundo arquivos históricos, os primeiros embates entre biriguienses e araçatubenses eram entre Bandeirante e São Paulo de Araçatuba na hoje Série A2 e depois, Bandeirante e Ferroviário de Araçatuba na hoje Série A3 (inclusive no ano em que o Bandeirante foi campeão da terceirona em 1963).

Com a criação da Associação Esportiva Araçatuba em 15 de dezembro de 1972, finalmente teríamos mais regularidade em jogos entre os times das duas cidades. Porém, não houve jogos entre Bandeirante e AEA até 1982 e 1983 onde eles finalmente se enfrentam na Série A2 daquele ano. Infelizmente, nem eu consegui achar registros nem sobre o placar desses jogos. 

Em 1986, temos finalmente os registros de jogos na Série A2 e o primeiro jogo entre os dois terminou com vitória do Bandeirante no Pedrão por 3 a 0 enquanto o segundo jogo terminou com um empate sem gols em Araçatuba. O final disso, nós bandeirantinos, sabemos como terminou. BEC subindo pra primeira divisão pela primeira vez na sua história e ainda levantando o título. Mas fazer isso ganhando do nosso maior rival torna a façanha mais deliciosa ainda pro Leão da Noroeste. 

Após a participação na Série A1 de 1987 e o rebaixamento na elite, vieram tempos difíceis pro Bandeirante enquanto o Araçatuba vivia a sua ascensão e o seu auge. Em 1990 e 1991, o Bandeirante não conseguiu ganhar um só clássico contra o AEA pela Série A2 como também que em 1991, o Araçatuba devolveu com juros e correção monetária aquela vitória bandeirantina de 1986 ao golear o BEC no Adhemarzão por 5 a 0 (a maior goleada do Dérbi Noroestino) junto com subir pra elite pela primeira vez na sua história e levantar o título de campeão da Série A2 daquele ano. 

Passando os anos 90, enquanto o AEA seguia firme na primeira divisão do Paulistão e até jogando competições nacionais (sim, o Araçatuba jogou o Campeonato Brasileiro em 1995 pela Série C), o Bandeirante balançava entre Série A2 e Série A3. Nesse intervalo de tempo, apenas tivemos um ano em que os dois se enfrentaram. 1999, pela Copa Bandeirantes (que era uma espécie de antecessor da Copa Paulista) no qual o Araçatuba continuou o jejum contra o BEC ao empatar em Birigui e vencer por 2-1 em Araçatuba.

Em 31 de dezembro de 2000, virou o ano e o século. Mas também foi a virada da dominância no clássico porquê o Araçatuba foi rebaixado na Série A1 do Paulistão (inclusive, 2000 foi o último ano do AEA na elite paulista) e o Bandeirante começou a ter uma pequena ascensão graças ao nosso atual presidente Ademir Wellington de Oliveira (Bizi) que em 2001 culminou no acesso para a Série A2 e também no título de maior peso desse clássico, a Copa Paulista (antes chamada de Copa Estado de São Paulo ou Copa Coca-Cola) que valia uma vaga na Copa do Brasil. Detalhe, o Bandeirante jogou essa Copa Paulista de 2001 graças a desistência do Araçatuba, segundo o próprio Bizi em algumas declarações. 

Em 2002, depois de dezesseis anos de jejum, o Bandeirante finalmente voltou a vencer o Araçatuba quando foi no Adhemarzão e meteu 2 a 0 no Canarinho pela Série A2 do Paulistão daquele ano com gols de Reginaldo e Renatinho (a famosa cavadinha por cima do goleiro do AEA que recentemente esteve na lista da votação dos gols mais bonitos da história do Bandeirante graças ao grande José Carlos Ignez). Um fim de jejum terminado em grande estilo.

O triênio 2004-2005-2006 foi um dos mais inesquecíveis tempos do Dérbi Noroestino. Principalmente pra nós bandeirantinos. O BEC venceu o primeiro jogo entre os dois na Série A2 em Birigui por 3 a 0 com gols do grande Palhinha, Tico Mineiro e Reginaldo. Na volta com toda aquela história da vinda do Esquerdinha que o Bizi contou um milhão de vezes (Carlos Alberto Tilim que o diga), o Bandeirante venceu de novo por 1 a 0 no Adhemarzão com gol de pênalti do Reginaldo e tinha conseguido dar um gigantesco passo para a classificação rumo a segunda fase do campeonato.

Já em 2005, o primeiro duelo na A2 foi talvez o mais famoso clássico de toda a história do Dérbi Noroestino em que graças ao sucesso que o Bandeirante fez no RockGol! da MTV, o Bizi convidou ninguém mais, ninguém menos que o grande Paulo Bonfá para visitar a cidade e ver o jogo contra o AEA nas arquibancadas do Pedrão. Teve carreata pela cidade, recebimento de chave municipal pelo prefeito e Bonfá vestindo a camisa do Leão da Noroeste. Não tinha como dar errado. O Araçatuba bem que tentou estragar a festa, mas o jogo terminou com vitória tricolor por 2 a 1. No segundo jogo em Araçatuba, empate em 0 a 0 pra dar uma alegria a mais pro torcedor do BEC.

E por fim, 2006. O último grande ano de clássicos por aqui. E esse foi o ano com a maior disparidade entre os dois times, porquê o Bandeirante não teve a menor piedade do Canarinho. No primeiro jogo em Birigui, vitória por sonoros 5 a 2 em cima do AEA. Não contente em fazer esse placar, o BEC meteu outro 5 a 2 no Araçatuba só que dessa vez em pleno Adhemarzão. Infelizmente, esse jogo foi o último em muito tempo do Dérbi Noroestino. O AEA foi rebaixado esse ano pra Série A3 enquanto o Leão ficou ainda alguns anos na segundona até cair em 2008 onde também foi rebaixado pra mesma A3.

Após alguns anos de vexames, desastres e rebaixamentos, os dois times voltam a se encontrar em 2013 na Bezinha. Porém tinha uma novidade nesse ano, o nosso Bizi assumiu a direção do Araçatuba pra muita revolta de torcedor bandeirantino na época. Aí como diz aquele velho ditado: "O feitiço vira contra o feiticeiro". O AEA que tava carregando um jejum de doze anos sem ganhar do BEC, ganha os dois duelos daquele campeonato: 2 a 1 em Birigui e 3 a 1 em Araçatuba. O torcedor do Bandeirante que viveu grandes alegrias com o Bizi, sentia pela primeira e única vez o gosto amargo de ser derrotado pelo nosso atual presidente.

2016 foi a última vez em tempos atuais que tivemos Dérbi Noroestino. No primeiro jogo, o Araçatuba impôs 4 a 1 no Leão da Noroeste em pleno Pedrão. O Bandeirante com o então talismã camaronês Romeo deu o troco no Adhemarzão ao vencer por 4 a 3 quando o Araçatuba vencia no primeiro tempo por 3 a 1 (ou 3 a 0, me corrijam). Pena que no fim do jogo em Araçatuba teve cenas lamentáveis e uma confusão entre os jogadores dos dois times logo depois que o jogo acabou. Ai não pode, mas infelizmente são coisas do jogo.

- Quem é freguês de quem? 

Muitos torcedores de Bandeirante e Araçatuba falam que um é freguês do outro e vice-versa, só que nunca ninguém fez realmente um estudo de quantos jogos foram realizados entre os dois times e quantas vitórias e empates tiveram nesse clássico. Porém, eu consegui fazer esse estudo e trago em primeira mão quantos jogos teve e quem é freguês de quem pra acabar com as conversas. Detalhe, eu estou só computando jogos O-FI-CI-AIS. Amistosos, jogos comemorativos, jogos-treino e jogos de competições de base não valem pra esse levantamento.

Como você vê aqui em cima, não estão corretos todos os jogos oficiais que foram disputados. Isso porquê justamente naqueles anos de 1982 e 1983, os dois times se enfrentaram na Série A2 mas não há nem registro do resultado dos jogos daqueles clássicos destes dois campeonatos.

Aconteceram 19 jogos (sem os duelos de 1982 e 1983) ou 21 jogos (com os duelos de 1982 e 1983). O Bandeirante conseguiu sete vitórias, o Araçatuba conseguiu seis vitórias e teve cinco empates. Ou seja, o Araçatuba é que é freguês do Bandeirante segundo os números.

Em 2020 teremos mais uma vez o retorno do Dérbi Noroestino com mais dois jogos na Bezinha marcados pro Pedrão e pro Adhemarzão. Só que infelizmente será sem público por causa da pandemia do COVID-19. Mas não é motivo pra não perder esse que é um dos maiores clássicos (senão o maior clássico) do Interior de São Paulo. O Bandeirante vai manter a escrita? O Araçatuba vai empatar o somatório ou virar o mesmo? Eu não vou perder de jeito nenhum, e você?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivos para achar que Bandeirante x Penapolense é um clássico maior do que muitos acreditam não ser.

Caiu o invicto! Bandeirante joga mal, perde a primeira no ano em Osvaldo Cruz e vai pro "tudo ou nada" na Pedronera quarta!

Não tá morto quem peleia! Bandeirante joga mal, perde pro Grêmio Prudente no Prudentão e outra vez apostará na Pedronera para conseguir o acesso!